Biblioteca

Mesada: conheça os prós e contras desta prática

Semana passada, durante um jantar na casa de amigos, presenciei uma cena divertida e que imagino que é comum nas famílias que têm filhos jovens e adolescentes, principalmente, nos finais de semana. Assim que todos se reuniram à mesa, o filho mais velho do casal (18 anos) chegou e disse:

- Pai, me dá um dinheiro que eu “tô” indo "pra" balada.

E continuou:

- Capricha que hoje eu tenho uma convidada muito especial.

Enquanto todos riam, nada restou ao “pobre pai” senão abrir a carteira e fazer a vontade do filho, afinal, que pai resiste a um pedido destes, ainda mais por uma causa tão nobre. Claro que liberar o carro fazia parte do pacote. E lá sei foi o moço com o bolso cheio, feliz da vida, para sua night.

Depois dessa, o assunto do jantar não poderia ser outro, senão:

Os pais devem dar mesada aos filhos?

MESADA - PONTOS POSITIVOS

Sem dúvida que prática de dar mesada é uma excelente maneira de ensinar aos filhos sobre a importância da organização financeira e das vantagens da disciplina orçamentária na vida de qualquer pessoa. Além disso, a mesada pode atuar como um instrumento de conscientização coletiva, uma vez que requer a participação de todos no processo de uso racional do dinheiro. A prática da mesada também desperta para a importância de poupar, pois desenvolve o senso crítico de valorização daquilo que é comprado a partir do sacrifício financeiro das economias, principalmente, num momento em que - quase tudo – aparentemente, é tão descartável.

MESADA - PONTOS NEGATIVOS

Um ponto negativo da mesada é quando esta adquire caráter de “renda vitalícia” e causa dependência financeira (- talvez comodismo!) em quem a recebe, o que, obviamente, vai na contramão da proposta. Quem recebe mesada precisa ter em mente que o objetivo principal da prática é o estabelecimento de um padrão de consumo programado e coerente com a realidade financeira de um grupo de pessoas, pois todos terão que respeitar limites e viver de acordo com as suas possibilidades, sem causar prejuízo aos demais.

Isso justifica a importância do valor da mesada estar alinhado com a realidade financeira da família, devendo, inclusive, ser ajustado ou até mesmo suspenso durante períodos de "aperto" econômico. Por outro lado, quem dá a mesada nunca deve fazer dela uma moeda de troca ou uma forma de reprimir/controlar tudo aquilo que desaprova, pois respeito - definitivamente – não é uma questão de dinheiro.

DICAS E SUGESTÕES

Para aqueles pais que ainda estão em dúvida se devem ou não dar mesada aos filhos, proponho o seguinte:

  • Iniciem dando pequenos valores semanalmente. Na medida que a consciência e a  maturidade de uso do dinheiro forem sendo desenvolvida, aumentem o prazo entre um pagamento e outro;
  • Valorizem todas as conquistas: desde a compra de um simples brinquedo com o uso das economias até o recebimento de juros e dividendos de um investimento;
  • Evitem dar presentes fora de época e de valores desproporcionais a mesada, pois isto desestimula o hábito de poupar;
  • Estejam sempre atentos a forma de uso do dinheiro, evitando assim, dores de cabeça futuras, afinal, a idéia da mesada é contribuir para o bem da família;
  • Dar mesada é apenas o primeiro passo. Contudo, é preciso ir mais além. Participar da gestão do dinheiro (ainda que sutilmente) é uma forma eficiente de despertar no recebedor o interesse pelas finanças, ou seja: pela formação de reservas, pelo poder dos juros, pela importância dos investimentos, para os perigos do endividamento, etc;
  • Sempre que algo sair errado - como quando o dinheiro acabar antes do previsto – não se deixem levar por "rostinhos tristes". A experiência de vivenciar um período momentâneo de falta de dinheiro, certamente trará resultados melhores do que a certeza que o papai e a mamãe sempre resolvem tudo;
  • De vez em quando, meio "sem querer" – deixem passar uns dias da data de pagamento habitual, pois é preciso que o recebedor entenda que a vida é cheia de imprevistos; assim você estará demonstrando a importância de sermos previdentes no processo de Independência Financeira.

Administrar a mesada é uma prática que pode contribuir em muito para a melhoria da conduta orçamentária de qualquer pessoa, além de favorecer a aproximação e o diálogo em família. Vale a pena experimentar!

» Leia Agora: Quanto vale o seu TEMPO?

Comentários (27)

Participe

Leia ou deixe seu comentário no nosso fórum de discussão.
Faça o seu cadastro ou acesse a sua conta.

Conheça Nossos Programas de Educação Financeira

Nossa missão é contribuir para o sucesso financeiro e pessoal dos nossos clientes.

G9 Educação – Uma empresa do Grupo G9 Investimentos - Consultores Associados